Poema sem nome 02

Caminha léguas lendo o céu que lhe cobre a idéia
se não chove hoje, chove amanhã sobre a terra velha
sente o vento que arde os olhos e liberta a lágrima
primeira gota que anuncia a fartura máxima.

A máxima do dia é contemplar o pão
se não como hoje, como ele amanhã
sente as tripas revirarem e compor melodia
primeiro som que compõe o ventre que não come a mais de dias.

Anúncios
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s